Rádio Filhos de Davi / jardim-ms

Cristãos são alvos de ataques em 28 dos 54 países da África, diz relatório

Cristãos são alvos de ataques em 28 dos 54 países da África, diz relatório

O Cristianismo enfrenta uma crise preocupante em mais da metade dos 54 países do continente africano. De acordo com informações de grupos cristãos, seguidores de Jesus estão sendo alvo de perseguição, violência, assassinatos e deslocamentos em 28 nações da África.

A pior situação acontece na Nigéria. Segundo a Portas Abertas dos EUA, seus relatórios de pesquisa revelam que "nove em cada 10 cristãos mortos por sua fé em 2023 estavam na Nigéria. No entanto, esse número provavelmente é ainda maior, já que muitas mortes não são relatadas".

“A Nigéria é um dos lugares mais mortíferos do mundo para ser cristão”, disse Ryan Brown, CEO da Open Doors nos EUA, à Fox News Digital. “Dos quase 5.000 cristãos mortos pela sua fé em 2023 em todo o mundo, surpreendentes 82% deles estavam na Nigéria.”

O grupo de pesquisa nigeriano Intersociety, junto com a Sociedade Internacional para as Liberdades Civis e o Estado de Direito, classificou os assassinatos de cristãos na Nigéria como genocídio e aumentou o número de mortes, alegando que mais de 8.000 cristãos nigerianos foram mortos ou sequestrados entre janeiro de 2023 e o final de janeiro de 2024.

Ataques a facas

A maioria desses incidentes envolveu ataques com facas provocando a morte das vítimas. Além disso, a Intersociety relata que mais de 18.500 locais de culto cristão foram destruídos em toda a Nigéria entre 2009 e 2023.

"Este massacre continua", afirmou Emeka Umeagbalasi, representante da Intersociety, em entrevista à Fox News Digital.

"Estima-se que entre 500 e 600 cristãos tenham sido brutalmente assassinados por professarem sua fé na Nigéria, durante o período de janeiro até a primeira semana de abril de 2024", disse Umeagbalasi.

"Eles estão sendo mortos, estuprados e deslocados, com suas casas e, por vezes, igrejas incendiadas. Em algumas ocasiões, são forçados, sob ameaça de morte, a publicamente mudar sua religião para o Islã."

"Com o aumento do islamismo radical na África, há definitivamente um aumento no direcionamento e perseguição aos cristãos", disse Todd Nettleton, apresentador da Rede de Rádio Voz dos Mártires, à Fox News Digital.

Ele acrescentou que esses ataques ocorrem em uma ampla gama, desde "grupos conhecidos como Boko Haram na Nigéria e al-Shabaab na Somália, até grupos menos conhecidos, mas igualmente violentos, no norte de Moçambique, República Democrática do Congo e em outras nações."

"Atualmente, há 28 países no continente africano na Lista Mundial de Observação 2024 da Open Doors dos EUA, nações onde os cristãos rotineiramente enfrentam opressão, assédio e violência por causa de sua fé em Cristo."

Embora os cristãos constituam cerca de 46% da população, eles são frequentemente forçados a abandonar suas casas na Nigéria. De acordo com Brown da Open Doors US, "dos 34,5 milhões de deslocados em toda a África Subsaariana devido à instabilidade política, conflitos e extremismo, cerca de 16,2 milhões são cristãos".

Brown acrescentou: "Como os pastores militantes Fulani desejam reivindicar terras no centro da Nigéria, onde há os melhores pastos, eles atacam aldeias cristãs, sequestram seus habitantes, incendeiam suas casas e destroem suas plantações, reivindicando a terra para si mesmos."

Extremistas

A perseguição na Nigéria não é algo novo. Maryamu Joseph foi sequestrada por militantes muçulmanos do Boko Haram quando tinha apenas 7 anos de idade. Nove anos depois, ela conseguiu escapar e compartilhou sua experiência com a agência Ajuda à Igreja que Sofre (AIS):

“Sofri muito nas mãos dessas pessoas cruéis e sem coração. Eles colocaram os cristãos em jaulas, como animais. A primeira coisa que fizeram foi nos forçar a converter ao Islã. Mudaram meu nome para Aisha, um nome muçulmano, e nos alertaram para não orarmos como cristãos, ou seríamos mortos.”

O professor católico Emmanuel Joseph testemunhou um recente ataque a uma igreja católica e a uma igreja batista em Rubuh, no estado de Kaduna, na Nigéria.

"A missa tinha acabado de começar quando ouvimos tiros. Os paroquianos começaram a correr para todos os lados", disse Joseph. "Ao entrarem no recinto da igreja, eles atiraram em três membros que tinham saído da igreja. Eles também atacaram a igreja Batista local e sequestraram 36 membros da congregação, na maioria mulheres, e mataram um homem lá também. Estamos focados apenas em como permanecer vivos, confiando em Deus para segurança na crença de que Ele lutará por nós."

"Perseguição religiosa no norte é sistêmica", afirmou Matthew Man-Oso Ndagoso, arcebispo do estado de Kaduna, na Nigéria. "Não posso construir uma igreja, enquanto o governo emprega e paga imãs para ensinar nas escolas. Todo ano eles têm dinheiro para construir mesquitas no orçamento, mas não permitem que você construa igrejas".

Sahel

Relatos de perseguição continuam a chegar da região do Sahel, abrangendo países como Chade, Mali, Níger e Burkina Faso. O bispo Justin Kientega, deste último país, relatou à AIS que partes de sua diocese se tornaram áreas proibidas, à medida que os jihadistas buscam impor o Islã radical à população.

"Os terroristas reúnem pessoas e dizem a elas para não irem à escola", disse ele. "Eles instruem os homens a deixarem suas barbas crescerem e as mulheres a usarem o véu islâmico."

No Sudão, disse Brown da Open Doors US, há mais perseguição aos cristãos.

"Houve 165 igrejas fechadas", disse Brown. "Outras foram atacadas e destruídas. Vemos no Sudão e em tantos outros lugares que aqueles que se opõem à fé cristã usarão essas situações voláteis como oportunidade para agredir nossos irmãos e irmãs. Enquanto oramos pelo fim da violência, lembramos desses homens e mulheres corajosos e pedimos por sua proteção enquanto continuam arriscando tanto."

Guerra civil

A guerra civil em curso no Sudão, que já dura um ano, resultou no deslocamento de aproximadamente 8,2 milhões de pessoas, conforme dados deste mês do Gabinete da ONU para a Coordenação dos Assuntos Humanitários. Mas os cristãos representam apenas uma minoria aqui, compreendendo cerca de 5% da população.

O pesquisador sudanês Eric Reeves disse à Fox News Digital que é difícil, por exemplo, quando tantos edifícios de todos os tipos estão sendo bombardeados no Sudão, afirmar que o incêndio de igrejas é um ataque específico contra os cristãos.

"Houve certamente uma antipatia subjacente à longa presença cristã no Sudão, remontando ao regime de Bashir e até mesmo antes ... confisco de propriedades da igreja e restrição das atividades cristãs de várias maneiras. Mas a situação atual é simplesmente muito caótica para generalizações."

Os cristãos também estão sendo alvo de ataques em Moçambique. De acordo com a AIS, missionários, padres e cristãos em geral tiveram que fugir da região norte de Cabo Delgado.

“As atividades dos grupos insurgentes islâmicos intensificaram-se na região, criando uma atmosfera de medo e insegurança”, segundo a AIS.

Deslocamentos

De acordo com a ACNUR, mais de 1 milhão de pessoas foram deslocadas desde o início dos combates em 2017.

Até o momento deste ano, foram relatados ataques, destruição e incêndio de capelas em pelo menos 12 comunidades moçambicanas por grupos ligados ao Estado Islâmico.

“O nosso povo carrega apenas o que pode numa trouxa na cabeça ou na bicicleta da família”, disse à AIS o bispo de Pemba, no Norte de Moçambique, António Juliasse. “O maior risco deles é tornarem-se rostos esquecidos, abafados pelas outras guerras no mundo”.

Um porta-voz do Departamento de Estado disse à Fox News Digital que as autoridades estão "profundamente preocupadas com os crescentes níveis de perseguição em todo o mundo, inclusive contra os cristãos. Observamos com grande preocupação que os relatos de intolerância e assédio contra os cristãos em todo o mundo estão aumentando e se espalhando. Ninguém deveria jamais ter que temer pela sua segurança pessoal ou pela segurança das suas instituições religiosas".

"Membros das comunidades cristãs, ou aqueles que desejam ingressar nelas, enfrentam limitações em seus direitos à liberdade de religião ou crença em todas as regiões do mundo e têm sido alvo de ataques terroristas e violentos por multidões e extremistas violentos, incluindo na África."

"O Departamento de Estado regularmente se envolve com governos, em todos os níveis, para advogar por melhorias na liberdade religiosa, incluindo o fim das violações que afetam os cristãos. Falamos regularmente sobre essas questões e relatamos esses desenvolvimentos no Relatório Internacional sobre Liberdade Religiosa. O Governo dos Estados Unidos e o Escritório de Liberdade Religiosa Internacional utilizam isso como ponto de partida para esforços de advocacia que abrangem todo o ano e além."

Todd Nettleton, da Voz dos Mártires, disse à Fox News Digital que gostaria de ver mais ação.

"É importante para o nosso governo, e outros governos do mundo livre, identificar e denunciar aqueles que atacam e perseguem minorias religiosas - sejam governos ou grupos terroristas", disse Nettleton.

"O Departamento de Estado emite sua lista anual de Países de Preocupação Particular, o que é um começo, mas certamente mais pode ser feito para destacar o sofrimento das minorias religiosas enfrentando ataques violentos na África e em outros lugares."

Liberdade religiosa

"A liberdade religiosa é frequentemente chamada de 'a primeira liberdade' e, portanto, deve ser um aspecto vital das interações do nosso governo com outras nações - mesmo que isso signifique correr o risco de ofender governos estrangeiros com os quais possamos querer trabalhar em acordos comerciais lucrativos ou outros acordos."

"O governo dos Estados Unidos deve advogar para que o governo nigeriano acabe com a impunidade," disse Brown, da Open Doors US, à Fox News Digital.

"Por muito tempo, extremistas e grupos como os militantes Fulani têm cometido violência contra cristãos e diversos grupos étnicos sem responsabilização. Precisamos instar o governo nigeriano a tomar uma posição firme contra esses perpetradores e quebrar o ciclo de violência que continua a se expandir por toda a África subsaariana.

"Precisamos que o governo dos Estados Unidos adote uma posição firme e vocal sobre esses ataques e a insegurança que estão criando."

Em Burkina Faso, o Bispo Kientega afirma que os cristãos estão dispostos a sacrificar suas vidas por sua fé, em vez de serem obrigados a adotar o Islã.

"Muitos deles aceitam a possibilidade da morte", disse Kientega. "Eles se recusam a remover suas cruzes e a se converter. Sempre encontram outras maneiras de viver sua fé e orar."

 

NOTÍCIAS MAIS LIDAS